FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
Pedro Xavier 13 Jan 2021

Movimentos de todo o país unem-se contra a exploração do lítio

Onze movimentos cívicos de diferentes regiões de Portugal enviaram na última sexta-feira um pedido de tomada de posição em relação às explorações mineiras que pairam sobre o território nacional. A carta com o pedido foi enviada ao atual Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, assim como aos restantes seis candidatos pela presidência.

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

Após diversas manifestações contra a exploração do lítio e ações desenvolvidas pelos movimentos, solicita-se desta vez, a todos os candidatos, que se pronunciem sobre o programa de mineração, um tema sério para todas as populações que veem as suas terras ameaçadas com graves problemas ambientais e sociais.

“Nós, milhares de portugueses membros de coletivos e associações queremos acreditar que vivemos num país democrático, onde as populações podem decidir do seu futuro”, é referido na carta dirigida a Ana Gomes, André Ventura, João Ferreira, Marisa Matias, Marcelo Rebelo de Sousa, Tiago Mayan Gonçalves e Vitorino Silva.

Os movimentos salientaram ainda que “se as populações não quiserem apostar no extrativismo e na exploração mineira como modelo de desenvolvimento, mas sim num desenvolvimento verdadeiramente sustentável baseado numa agricultura ecológica e de qualidade e num turismo sustentável, devem ser ouvidas e os seus desejos tomados em consideração”.

Desta forma, é pedido a todos os candidatos presidenciais para que publicamente manifestem a sua posição o mais breve possível, antes do dia 24 de janeiro, o dia de votações.

O Conselho de Ministros aprovou no dia 14 de outubro o decreto-lei que visa regulamentar a lei de bases de aproveitamento dos recursos geológicos, no que diz respeito aos depósitos minerais, o qual, segundo explicou na altura o Ministério do Ambiente, prevê padrões de sustentabilidade ambiental “mais exigentes”, a repartição dos benefícios económicos com as populações e dá mais poderes aos municípios.

Em dezembro, os movimentos já tinham pedido ao Presidente da República para vetar a nova lei das minas, bem como a sua devolução ao Governo para a “inclusão das imprescindíveis alterações” propostas.

“Somos largos milhares de cidadãos portugueses, perfeitamente informados e conscientemente convencidos que a forma como o massivo programa de mineração do atual Governo foi e é conduzido colide gravemente com os nossos direitos fundamentais”, afirmaram numa carta aberta então dirigida a Marcelo Rebelo de Sousa.

Os opositores às minas consideram que se tem assistido a “uma total falta de transparência e de vontade de concertação com a população local, por parte do Governo e das entidades competentes” e defendem que sejam “potenciadas e preservadas zonas protegidas e classificadas, essenciais à saúde, bem-estar e sustentabilidade, excluindo-as de projetos extrativistas de recursos minerais”.

Os movimentos são a Associação Montalegre Com Vida, a Associação Unidos em Defesa de Covas do Barroso, Corema – Associação de Defesa do Património, que coordena o Movimento de Defesa do Ambiente e Património do Alto Minho, Em Defesa da Serra da Peneda e do Soajo, Guardiões da Serra da Estrela, Movimento Não às Minas – Montalegre, Movimento ContraMineração Beira Serra, Movimento SOS Serra d’Arga, SOS – Serra da Cabreira – BASTÕES ao ALTO, Povo e Natureza do Barroso (PNB) e SOS Terras do Cávado.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts