FECHAR
Logo
Capa
A TOCAR Nome da música AUTOR
Pedro Xavier 25 Dez 2020

Neverland: Rancho de Michael Jackson comprado por bilionário norte-americano

O rancho de Michael Jackson, Neverland, na Califórnia, foi adquirido pelo bilionário norte-americano Ron Burkle por cerca de 22 milhões de dólares (18 milhões de euros), bem abaixo do preço de venda original, disse quinta-feira o seu porta-voz.

Acessibilidade

Ouvir
Aumentar Texto Diminuir Texto
Contraste Contraste

Burkle, um homem de negócios baseado em Montana, tem investimentos que vão desde supermercados à indústria musical.

Burkle também tinha servido como conselheiro comercial de Michael Jackson, ajudando-o, entre outras coisas, a liquidar grandes dívidas acumuladas devido ao seu estilo de vida nos anos que antecederam a sua morte.

Em 2015 o rancho da estrela pop, que morreu em 2009, estava avaliado em 100 milhões de dólares.

No ano passado, o preço já tinha baixado para 31 milhões de dólares, mas a propriedade não tinha encontrado um comprador.

De acordo com relatos da imprensa, Michael Jackson comprou a propriedade por 19,5 milhões de dólares nos anos 80.

Altamente endividada, pouco antes da sua morte em 2009, a estrela tinha vendido a propriedade a Thomas Barrack Jr.’s Colony Capital Investment por 22,5 milhões de dólares.

Localizado num lote de 1.100 hectares, a 65 quilómetros de Santa Barbara, o rancho tem uma casa principal com seis quartos, três casas de hóspedes, um lago com uma cascata, campos de ténis, vários celeiros e abrigos para animais.

Tinha sido atacada pelos investigadores em 2003, quando a estrela foi acusada de ter abusado de crianças que tinha acolhido na sua casa. A polícia encontrou uma grande coleção de imagens pornográficas e fotografias de crianças nuas.

Jackson foi absolvido em 2005.

Um documentário recente da HBO, “Leaving Neverland”, relata o testemunho de dois homens que afirmam ter sido abusados sexualmente por Michael Jackson quando crianças.

Os herdeiros de Michael Jackson, que negam as acusações, processaram a HBO por “homicídio póstumo” e procuram mais de 100 milhões de dólares em compensação.

Comentários

Últimas notícias

mais notícias

Últimos podcasts

mais podcasts